São 23:00. Estou retornando. O receio de não chegar é grande. Por ser dependente de meios que não dependem de mim para que eu possa chegar ao meu destino, vejo quem não depende dos outros, passando diante dos meus olhos, como que num piscar de olhos. E é como morrer.

Mais uma vez, os quilometros se acumulam de forma absurda, o tempo se acumula, o cansaço se acumula, e a esperança se esvai, sempre tornando notório o quanto a recompensa não está fazendo valer o sacrifício.
Dentro do trem, as luzes refletem no vidro das janelas, tornando o meu reflexo iminente, revelando um jovem velho e sem forças, que falha até mesmo em tentar admirar o céu noturno, poluído pela luminosidade urbana.

Falha até mesmo em chegar ao seu destino diário. Falha nas pequenas coisas, falha nas grandes. Fale.

Entorpecido

Já não sofro mais. Os espinhos perfuram a carne, mas já não sinto mais dor. E já não há mais sangue para derramar.

É como se eu estivesse morto.
Mas ainda consciente do mundo desmoronando ao meu redor. Nada se resolve, tudo se complica, se agrava, sem solução.

Aguardarei a vida passar, para que o fim cumpra o seu papel e termine de matar esse corpo moribundo, dando cabo de mais um parasita nesse mundo indiferente.

Lamento

Ontem eu errei.
Não foi erro que me causou perda, mas foi um erro onde eu deixei de ganhar.
A amargura desse erro traz um desconforto enorme, e a dificuldade em tentar deixar isso pra trás é imensa. O erro de ontem não me prejudica hoje, mas não me trará benefícios amanhã. E isso dói demais.

Infelizmente não há solução. Mas assim, de qualquer forma, é só um desabafo. 

Mudança

Há fases. Esse é o primeiro passo. Reconhecer que nós passamos por fases. Algumas fases duram mais, outras menos. Mas ainda assim são fases. E o medo de mudar porque nos importamos com o que os outros vão pensar? Péssimo.

É engraçado como olhamos pra trás e achamos extremamente ridículo como éramos, como pensávamos, como nos vestíamos, etc. E pensando um pouquinho mais, nos lembramos de que achávamos aquilo tudo o máximo. Era tão legal, não é?

Bem… Fico pensando se daqui a alguns anos, verei as coisas que vivo hoje, da mesma forma que vejo as coisas do passado. E não, não tenho medo de mudar. Ontem eu estava conversando com uma pessoa e expus uma idéia. Ela me indagou: “Mas você tá se contradizendo, você não pensava assim da última vez… Como assim?” Bem… Não penso mais daquela forma, oras. Digamos que Raul Seixas foi um cara sábio ao dizer que preferia ser uma metamorfose ambulante. Eu também creio que seja bem melhor. Ter uma velha opinião formada sobre tudo calcifica o bom senso e a maleabilidade em se adaptar aos novos tempos, pois da mesma forma que mudamos, o mundo também muda.

Já fui (e estou pra ser) muitas coisas. E felizmente, com o passar do tempo, fui mudando de acordo com cada fase. E é incrível como na maioria das vezes, as mudanças só nos fazem bem. Não tenho mais medo de mudar. A vida é curta demais para se prender à apenas algumas coisas passageiras por tanto tempo.

Esperando novamente…

A espera por algo que se quer muito, nada mais é que ansiar que o futuro se torne presente. E após a longa espera, onde a esperança parece suprir essa necessidade inflamada pela realização do desejo, o tão sonhado futuro se torna presente.

Após usufruirmos a tão aguardada recompensa, caímos novamente no ciclo de querer mais, buscar outros objetivos e fazer daquilo que lutamos tanto para conquistar, uma breve memória no mundo do que já foi, do passado.

Vivo todos os dias pensando em como conseguir certas coisas, em como ser bem sucedido e em como eu me sentiria caso eu alcançasse os tais objetivos…
Tudo o que já conquistei faz mais parte do passado do que do presente, e de alguma forma, é sempre mais agradável lembrar das coisas que já passaram do que olhar pro agora e acabar não sentindo-se satisfeito.

Talvez essa seja a recompensa de toda luta e de toda espera… Tornar o futuro presente, e o bem presente, passado. Pra que tudo o que tenha sido vivido, de alguma forma seja lembrado com aquele gostinho de “Eu consegui.”.

Sinto saudades…

Ela, sempre guerreira, nunca fugiu à luta, sempre encarou todos os desafios sem temor e com muita persistência, conseguiu fazer dele o homem que é hoje.

Ela, que teve as suas decepções com a vida, jamais deixou que isso afetasse a relação que tinha com o seu filho, e de todas as maneiras, sempre tentou ajudá-lo, sempre quis ver o seu bem.

Inabalável na sua posição de mãe, sempre fez o possível pra que ele estivesse vestido, alimentado e feliz. Nunca lhe faltou nada.

E é por isso que hoje ele se sente grato por ter sido tão protegido, de uma forma tão peculiar, pelo abrigo mais seguro de todos.

Uma verdadeira fortaleza, um local de amparo e descanso, alívio.

Obrigado por tudo, mãe.


"É livre quem deixou de ser escravo de si mesmo."


— Sêneca

"É livre quem deixou de ser escravo de si mesmo."

— Sêneca

Somos tudo o que temos

Eu e você viemos para mudar o rumo de tudo
De tudo aquilo que chamamos de vida, de mundo
Estamos aqui, e nós somos tudo o que temos
Temos um ao outro, de resto, é o de menos

Somos a chave para o reino
O passaporte para felicidade duradoura
Somos o ímpeto que derrota o sentimento efêmero
A brava coragem daquele que ousa

Fazemos o que fazemos porque amamos
Sem essa energia pra nos mover, estariamos estáticos
Continuamos, prosseguimos, mesmo quando falhamos
O reino nos espera, não podemos ficar parados

Somos a chave para o reino
E nada poderá nos deter
Alcançaremos as alturas, eu creio
Nada além de nós, apenas eu e você

Diferente

metrô

Hoje eu estava numa estação de metrô, parado, atento, observando cada pessoa que por ali passava… E me dei conta que cada pessoa é tão singular, cada pessoa tem uma história tão incrível (ou não) quanto a minha ou a sua história. E que pra cada pessoa que existe no mundo, há inúmeras ligações, pais, mães, irmãos, primos, tios, avós, amigos, colegas de trabalho, amores, paixões platônicas…

Cada pessoa nesse mundo tem algo a compartilhar, algo a ensinar, tanto para o bem quanto para o mal… E às vezes pessoas maravilhosas passam por nós sem que nós tenhamos a chance de conhecê-las, de compartilhar gostos, opiniões, alegrias, tristezas, conhecimentos, experiências…

Graças ao acaso, temos a felicidade de conhecer certas pessoas que mudam completamente o rumo de nossas vidas e faz com que vivamos uma vida intensa, uma vida que nunca imaginávamos viver… E até mesmo fazemos esse papel quando temos a oportunidade certa.

Seja lá quem for você… Faça a diferença… Faça valer a pena. Para as pessoas que passam por você pela rua, você pode ser apenas mais um na multidão, mas para as pessoas que convivem com você, que estão sempre ao seu redor, você é bem mais que isso. E pra tornar isso bem mais especial, seja alguém que torna as coisas mais divertidas, agradáveis, memoráveis…

Surpreenda.

O sofrimento eterno aguarda a todos aqueles que questionarem o infinito amor de Deus.

—Bill Hicks